TEXTO – SEGURANÇA NAS COMPRAS PELA INTERNET

 

 

                        A Internet vem crescendo a cada ano no Brasil. A quantidade de informações e a facilidade de se encontrar produtos e serviços é o que mais atrai as pessoas quando estão conectadas na rede. Os consumidores em geral estão se acostumando a realizar compras pela Internet.

                        A Internet permite que o consumidor compare preços (Exemplo: www.buscape.com.br), pesquise características dos produtos e adquira o que melhor lhe convém confortavelmente, sem sair de casa e sem se preocupar com os horários das lojas convencionais. Como é um sistema novo exige atenção e determinados cuidados, evitando-se, assim, fraudes ou problemas maiores.

                        O que atrai os consumidores a realizar suas comprar pela Internet é o preço dos produtos, que na maioria das vezes é bem menor que nas lojas convencionais, já que pela Internet as lojas não precisam manter grandes espaços físicos para seus produtos e nem manter um grande número de funcionários.

                        Todas as empresas que disponibilizam produtos ou serviços para serem comercializados na Internet, sob seu próprio nome, recebem a denominação de lojas virtuais. Uma denominação mais técnica é a de empresas virtuais.

 

A Internet pode ser a solução para quem quer fugir da correria das compras de Natal. Sem sair do conforto de sua casa, você pode encontrar os mais variados artigos nas lojas virtuais, como roupas, CDs, livros e todo tipo de presente.

 

Se por um lado traz comodidade, o comércio eletrônico também tem suas armadilhas. Descuidar da segurança do site onde você irá fazer sua compra, por exemplo, pode resultar num amargo prejuízo para o seu bolso. Vários hackers (fraudadores), munidos de programas desenvolvidos para interceptar dados, estão à espera de um simples descuido para roubar o número do seu cartão de crédito e dos seus documentos.

 

Além disso, a Internet está recheada de surpresas: artimanhas permitem que as empresas “espionem” seus passos na rede. Até práticas abusivas de propaganda fazem parte do mundo virtual. [1]

 

                        Essas empresas podem ter estabelecimentos físicos ou não. O que importa é que a própria empresa mantenedora do site é quem está de fato vendendo os produtos ou serviços anunciados, como se tratasse de uma loja mesmo, apenas colocada não no espaço físico, mas na internet. [2]

                        Sempre que você se interessar em adquirir um produto ou serviço pela Internet seja atento e principalmente, se preocupe em: [3]

                        1 - procurar no site a identificação da loja, se possível todos os dados da empresa, como por exemplo, razão social com o CNPJ, endereço e localização e formas de contato (telefone) além do e-mail;

 

                        2 – Evite sites que disponibilizam apenas uma forma de contato, como número de telefone celular;

                        3 – Quando você realiza uma compra pela internet, necessariamente, você deverá realizar um cadastro pessoal, que, na maioria das vezes, inclui seus dados pessoais (nome completo, CPF, endereço para contato e entrega, RG, número de cartão de crédito, telefone residencial e comercial etc). Por esta razão, antes de efetuar esse cadastro, procure informações sobre a segurança do site e sobre a proteção de seus dados pessoais.

                        Veja se a loja virtual possui uma Política de Privacidade, para saber qual o compromisso a ser assumido no que diz respeito à manipulação dos dados que você confiar a ela. Caso o banco de dados da empresa em que você adquiriu o produto não estiver protegido, por exemplo, seus dados poderão ser interceptados facilmente por hackers.

 

Importante, portanto, averiguar se a loja é segura, ou seja, se ela toma as medidas necessárias para evitar que esses dados sejam interceptados e utilizados de forma imprópria. Faça isso averiguando se existe um ícone em forma de um cadeado no canto inferior direito da tela. Lojas seguras também têm seu endereço eletrônico começando com a sigla “https”.

 

Lembre-se de que é relativamente fácil para alguém que conheça um pouco de informática imitar a aparência de um site. É possível que alguém mal intencionado, portanto, crie um site em tudo igual ao de uma loja virtual consagrada, simulando a venda de produtos com o intuito de se apoderar de dados como senha, telefone e número de cartão de crédito do comprador.

 

Para tanto, é possível que ele até mesmo imite a URL (o “endereço eletrônico” da página) do site, só fazendo faltar uma letra do nome, por exemplo. Aumente as cautelas quando houver alguma alteração em relação à página da loja virtual que você já conhece. Páginas que, embora mantendo cores e formatos originais, apresentam alterações e não têm os elementos mencionados acima (ícone de cadeado e “https” no endereço) devem ser evitadas. [4]

 

                        Procure o desenho de um cadeado fechado que fica no lado inferior esquerdo da tela (Netscape) ou no lado inferior direito (Explorer). Esse é o certificado digital do site, o qual é concedido por um cartório de autenticação.

 

Você sabia que pode estar sendo vigiado ao navegar na Internet? Os responsáveis por essa espionagem são os cookies, pequenos arquivos deixados dentro de seu micro pelo site que você acessou. Os cookies podem representar uma invasão de privacidade, já que algumas empresas o utilizam para vasculhar os passos de seus clientes. Isso porque esses arquivos podem identificar suas preferências de compra, ao registrar sites que você costuma visitar, e armazenar dados pessoais, como seu sexo e idade.

 

Quando você entra em determinado site e se depara com uma saudação “Olá, (seu nome)” está diante de mais uma obra dos cookies. Olhando pelo lado positivo, esses arquivos são usados para armazenar dados. Por exemplo, se você está fazendo uma compra e a conexão é interrompida, o cookie permite a continuação da compra do ponto em que ela parou.

 

Eles também guardam a identificação e a senha de seus usuários, o que evita que o site peça novamente essas informações assim que você muda de página.  Os cookies não representam um dano concreto para o consumidor mas, se incomodarem, existem maneiras de eliminá-los (veja o esquema ao lado).

 

Entretanto, ao desativar os cookies, o usuário irá se deparar com dois incovenientes: suas funções positivas também serão eliminadas e, além disso, alguns sites obrigam o usuário a reativar os arquivos sob ameaça de não conseguir visualizar suas páginas. [5]

 

            4 – Evite preencher dados do cadastro que não sejam fundamentais para a realização da compra. Na maioria dos cadastros os itens obrigatórios estão em destaque. Não preencha os demais. É importante que o consumidor crie uma senha segura, com mais de 6 dígitos e nunca divulgue essa senha para outras pessoas. Mantenha em sigilo absoluto. Nunca responda e-mails que solicitem sua senha. Evite colocar sua senha em uma página que não seja segura.

                        A respeito das senhas veja essas informações:

 

Evite senhas que você mantém em outros sites, bem como datas de aniversário (sua ou de familiares), seu número de telefone, palavras conhecidas (como “cavalo”, “casa”, etc) e seqüências numéricas ou alfabéticas (como 12345 ou ABCDEF).

 

Evite também seqüências de letras como encontradas no teclado do computador (como asdfg). Sempre é bom buscar escolher uma senha entre 6 e 12 caracteres, alternando letras minúsculas, letras maiúsculas e números de forma aleatória. [6]

 

                        5 -       Analise e verifique as características e a descrição do produto a ser comprado, evitando, assim, a compra por impulso. Evite lojas que disponibilizam poucas informações sobre o produto. Vale a pena entrar na página do fabricante do produto na Internet, quando houver, e confirmar as funcionalidades do produto, tirando dúvidas que talvez a página da loja virtual não tenha conseguido tirar.

                        De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC) o consumidor tem o direito de se arrepender das compras realizadas fora de seu domicílio, seja por telefone ou pela Internet. O prazo para se arrepender e requerer o dinheiro de volta é de 7 dias, contados a partir do recebimento do produto. Todas as empresas virtuais são obrigadas a obedecer aos direitos dos consumidores previstos no CDC, porque são consideradas fornecedores de produtos e serviços.

 

                        6 - Verifique as políticas da loja quanto a entrega e prazo, formas de pagamento, garantia do produto e condições de troca. A garantia dos produtos é a prevista no CDC (veja curso sobre o CDC)

 

Prazo de entrega, formas de pagamento que a loja aceita, tempo de garantia do produto e em que situações ele poderá ser trocado (e como isso será feito) são informações que a loja precisa fornecer em sua página na internet. Certifique-se de que essas políticas sejam razoáveis.

 

Aumente as cautelas quando a loja tiver uma política de impossibilitar ou de tornar muito complicada a troca, ou ainda quando a loja se reservar o direito de não efetuar a devolução total do preço pago (fora frete) em caso de produto com defeito. [7]

 

                        Evite lojas que não orientam sobre como o consumidor deve proceder em caso de defeito do produto ou se não estiver satisfeito com o serviço.

                        Poucas lojas virtuais oferecem instruções de como o usuário deve proceder em caso de atraso na entrega das mercadorias. A grande maioria das lojas também não esclarece se o produto está ou não disponível em estoque, o que é ilegal de acordo com o CDC. Somente depois de finalizar o pedido é que a loja entra em contato com o cliente informado a disponibilidade do produto. 

                        A loja tem que entregar o produto até o prazo máximo combinado no pedido. Caso ocorra atraso na entrega o consumidor pode a sua escolha:

                        a) exigir o cumprimento forçado da obrigação assumida;

                        b) aceitar outro produto ou a prestação de serviço equivalente;

                        c) solicitar a rescisão do contrato (exigindo a restituição do valor pago, devidamente corrigido).

 

                        7 – Muitas vezes o preço anunciado na loja virtual não é o mesmo na hora de finalizar o pedido. O consumidor deve ficar atento a eventuais acréscimos no preço final do produto devido as taxas de entregas (valor do frete deve ser claro e determinado). Essas taxas são calculadas no pedido e incluídas no preço final do produto, quando o site solicita o CEP do endereço de entrega.

 

                        8 - Mantenha registro de tudo e guarde toda informação relacionada à compra. Nunca delete e-mails.

 

                        9 - Sempre é bom imprimir o anúncio, as telas de compra e toda a comunicação trocada com a loja. Para realizar essa operação basta abrir a tela, entrar na opção arquivo do navegador (na maioria das vezes é o Internet Explorer) e clicar na opção imprimir. 

 

                        10 – Atenção aos e-mails que você recebe.

 

Tenha cuidado ao abrir anexos ou clicar em links de e-mails que você recebe, ainda que eles aparentemente tenham sido remetidos pela loja virtual na qual você é cadastrado. Eles podem esconder vírus ou programas que visam capturar informações suas.

Aumente as cautelas quando o e-mail tiver erros de ortografia e/ou exigir que você coloque sua senha ou outras informações pessoais na resposta ou na página da internet para qual ele remeter.

Sempre é bom ao clicar no link contido em um e-mail recebido da loja virtual, verificar se a página da internet que abrir é segura. [8]

 

                        11 – Realize suas comprar em sites já conhecidos.

 

                        12 – Evite comprar pelo cartão de crédito, já que uma vez escolhido essa forma de pagamento, você necessariamente, deverá fornecer os três números finais que estão no verso de seu cartão. (são números de segurança do cartão - é a senha do cartão). Evite pagar antecipadamente.

                        Nunca compre ou forneça o número do seu cartão para comprar produtos que não estão em estoque na loja virtual. Essa prática é comum no comércio virtual mesmo que proibida pelo CDC.

 

                        13 – Caso venha a se deparar com essas frases “O consumidor deve explicar a razão pela qual desistiu de sua compra”; “Não ressarcimos o valor do frete se houver desistência/arrependimento da compra”, esqueça da compra. Essas lojas estão desrespeitando as normas do CDC e provavelmente, você terá problemas na compra.

                        14 - Ao comprar através de site estrangeiro, verifique as taxas de importação e o valor do frete. Procure saber se a empresa estrangeira tem representantes no Brasil, porque só dessa forma, o consumidor poderá contar com a total assistência técnica.

 

                        Essas informações não esgotam todos os cuidados que o consumidor deve tomar, já que a Internet está repleta de hacker e estelionatários dispostos a utilizar de todos os métodos para enganar os consumidores.

                         Porém, observando essas informações, consideradas as informações básicas, todos os consumidores virtuais evitarão problemas em suas compras pela Internet.

 

 

Sites interessantes:

 

www.procon.sp.gov.br

 

www.camara-e.net/

 

www.idec.org.br

 

 



[1] Disponível em: < http://www.idec.org.br/consumidorsa/arquivo/dez00/dez0001.htm> Acesso em: 20 mar. 2006.

[2] Disponível em: <http:// www.camara-e.net> Acesso em: 20 mar. 2006.

[3] Essas cautelas foram colocadas no texto com base nas informações que estão disponíveis na Cartilha do E-consumidor, da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. Disponível em:<http://www.camara-e.net>

[4] Disponível em: <http:// www.camara-e.net> Acesso em: 20 mar. 2006.

[5] Disponível em: < http://www.idec.org.br/consumidorsa/arquivo/dez00/dez0001.htm> Acesso em: 20 mar. 2006.

[6] Disponível em: <http:// www.camara-e.net> Acesso em: 22 mar. 2006.

[7] Disponível em: <http:// www.camara-e.net> Acesso em: 22 mar. 2006.

[8] Disponível em: <http:// www.camara-e.net> Acesso em: 22 mar. 2006.